logo

Abra a tampa da caixa

A Graça e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo a todos.

Ora, quem é que vos há de maltratar, se fordes zelosos do que é bom? Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem- aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados; antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo- o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo, porque, se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal.” – 1 Pedro 3:13-17.

Em algum momento de sua vida você já parou para pensar em quem você é? Em algum momento você já parou para pensar no mundo em que vive? Já parou para pensar a quem você serve? Já se perguntou o “porquê” daquilo em que acredita?

O texto citado acima pelo apóstolo Pedro está contido em sua primeira carta. Esta carta foi escrita por volta do ano 64 d.C., pouco antes de irromper a perseguição promovida por Nero que se deu nesse mesmo ano. Foi destinada aos “forasteiros da dispersão” (1:1), ou seja, cristãos que foram espalhados pelo mundo. A situação deles era de sofrimento e provações (4:12). Os sofrimentos nesta carta são aqueles que costumam sobrevir aos cristãos conforme eles se mantêm fiéis a sua fé em uma sociedade hostil e pagã. A carta foi redigida na “Babilônia” (5:13), um nome simbólico para Roma. Pedro foi martirizado, assim como os demais apóstolos (exceto João), por volta do ano de 67 d.C.

Nestes versículos que lemos, Pedro fala sobre ser “zeloso para o bem”. A palavra “zeloso”, utilizada no texto, vem da palavra grega μιμητης (mimetes), que tem significado de “imitar”. Ou seja, Pedro pergunta: “Ora, quem vai maltratar vocês se forem imitadores do bem?”. Ninguém é bom como o nosso Jesus. Por sermos discípulos dEle, somos seus imitadores… ou, pelo menos, deveríamos ser.

No versículo 15 que lemos, Pedro adverte sobre estarmos preparados para responder a TODO aquele que pedir razão da nossa fé (1 Pe 3:15). Quando analisamos esse versículo, identificamos que Pedro usa a palavra “Apologia” quando nos exorta a responder essas pessoas que nos questionam. A palavra “apologia” tem significado de: 1) defesa verbal, discurso em defesa 2) uma afirmação ou argumento raciocinado. Portanto, devemos defender a nossa fé em Jesus Cristo. E como o mundo segue uma linha racional, acredito que também o devemos ser em certas questões, pois só assim conseguiremos rebater tais questionamentos.

Vivemos em dias em que o acesso a informação se tornou muito mais amplo e muito mais fácil. Existem até mecanismos de pesquisa que prevêem o que estamos buscando. Quem nunca foi ao site de pesquisa Google e o mesmo terminou sua frase antes que você? Ou que identificou algo que você digitou errado e lhe perguntou “Você quer dizer…”? Não sei se você pensa igual a mim, mas essa “evolução” tem dois lados: o lado bom e o lado ruim. O bom é que temos acesso a essa grande quantidade de informação e nos pode ser muito útil. O lado é ruim é que isso nos torna mais ansiosos e, porque não dizer, até mais preguiçosos também? Afinal, queremos tudo para ontem e, o pior, não queremos nos dar ao trabalho de fazer as coisas, já queremos tudo pronto! 

Raramente identificamos alguém que se dá ao trabalho de realmente buscar respostas para tudo. Vemos um bando de pessoas que se acostumaram a dar respostas prontas e vazias. Não estão aptas e nem dispostas a explicar os motivos sobre aquilo em que acreditam. Pessoas acomodadas, que simplesmente levam a vida como se tudo estivesse bem e continuam em frente, sempre fazendo a mesma coisa, sem evolução alguma. 

Isso me faz pensar na seguinte pergunta: “Você realmente está satisfeito com você mesmo?” Eu me faço essa pergunta todos os dias logo quando acordo, pois eu não posso estar satisfeito com o meu eu de ontem e de hoje. Ora, se o tempo sempre está em evolução, eu também tenho que estar evoluindo. Nós precisamos estar em evolução. Você se lembra do que está escrito na carta aos Romanos 12:2 ?

E não vos conformeis com este século, mas transformai- vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” – Romanos 12.2

Se a própria Palavra de Deus diz para eu não me conformar com esse mundo, eu não posso me conformar. Tenho de seguir e prosseguir em conhecer o meu Deus (Os 6:3). Agora, se eu creio que o mundo que eu vivo foi projetado e criado pelo meu Deus, o único Deus, logo esse mundo tem de me revelar a grandeza dEle, como é relatado em Salmos de número 19

Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos” – Salmos 19:1

Um Deus eterno que criou um universo infinito. Um mundo que está sendo regido por diversas leis. Não precisamos ir muito longe. Quando você estava no colegial você estudou matérias de ciências básicas. Você já parou para pensar que a biologia não existe sem a química, a química não existe sem a física e a física não existe sem a matemática? Pois então, a ciência não existe sem Deus, pois Deus é quem criou tudo o que a ciência estuda. Afinal, a ciência não cria nada. Ela apenas descobre as coisas que já existem.

O interessante é que muitos ainda acham que a Ciência é inimiga da nossa fé cristã e a fé cristã é inimiga da ciência. Mas a verdade é que quando unimos a Ciência com a nossa fé ficamos vislumbrados com a tremenda glória de Deus. O próprio famoso cientista Albert Einstein afirmou: “A ciência sem a religião é aleijada; a religião sem a ciência é cega”. 

Um Deus que criou as leis do universo. Isso é Fascinante! Partindo desse ponto fica muito fácil entender o porque se fez necessária a vinda de Cristo para este nosso mundo. O Deus encarnado, o único suficientemente capaz de levar sobre si o pecado do homem. Deus criou as leis do universo para serem seguidas, logo não faria sentido algum Ele mesmo passar por cima de Suas próprias leis e ignorar o erro do homem no jardim do Éden, pois se o homem desobedecesse a Deus, estaria sujeito a morte (Gn 3:3), Deus estabeleceu essa lei.

Um homem perfeito e sem pecado foi criado e pecou, logo, somente um homem perfeito e sem pecado precisava, também, morrer sem pecado para satisfazer a justiça de Deus perante esse erro. Esse é o Jesus Cristo que eu e você seguimos e servimos. Nascido de forma sobrenatural diretamente de Deus, uma vida inteira sem pecado sendo tentado em TUDO (Hb 4:15) até a morte, e morte sofrida de Cruz. Ora, se a Lei de Deus diz que somente quem peca está condicionado a morte (Rm 6:23), logo, então, Jesus não se enquadra nessa penitência da Lei, estando livre, portanto, da morte (Rm 5:12, 17,18), ressuscitando, assim, para nos mostrar e ensinar que o pecado foi pago lá na cruz, nenhuma condenação mais há (Rm 8:1). Glória a Deus por isso, estamos libertos!

Devemos dar respostas de nossa fé. Não podemos nos acostumar a ir aos cultos de domingo e apenas ouvir hinos de louvor e mensagens de pregação. Não podemos ficar somente em livros e vídeos de auto-ajuda. Temos de nos esforçar para ir adiante. Sentar na cadeira, ler a Bíblia, ler livros, pesquisar, pensar, formar teorias, escrever, ensinar, trabalhar na obra de Deus.. se esforçar!

O objetivo deste texto foi somente tentar dar um incentivo a busca da luz do conhecimento. Lá fora, o mundo aponta para nós todos os dias e nos chamam de ignorantes e tapados. Não tiro a razão deles, afinal, muitos de nós apenas se escondem atrás de um livro de capa preta com letras douradas (se bem que até isso nos dias atuais vem sendo ignorado) e dizem que tudo é uma questão de fé e não apresentam vontade nenhuma de estudar para dar respostas convincentes da razão pela qual seguem essa fé. Quanto mais omissão de nossa parte, mais a Igreja de Cristo incha ao invés de crescer. E mais pessoas permanecem nas trevas da ignorância. 

Temos de nos livrar das famosas muletas do “Ah, eu não consigo!”, “Ah! Eu não nasci pra isso”, “Ah, não, isso é muito difícil!”, “não consigo entender esse livro”, “isso é questão de fé”, “não preciso saber disso”. Se grandes pensadores CRIARAM teorias há milênios de anos atrás sem o auxílio da tecnologia que temos hoje, não podemos nos dar ao luxo de viver sobre essas muletas ridículas. Nós somos capazes sim e temos por obrigação ser melhores sempre. Só não abraça essa causa quem não quer.

Termino esse texto, agora, dizendo: Em algum momento de sua vida, pare para pensar em quem você é. Em algum momento, pare para pensar no mundo em que você vive. Pare para pensar em quem você serve. E, o mais importante, saiba explicar o “porquê” daquilo em que você acredita.

Espero que essa postagem tenha acrescentado algo ao seu conhecimento e crescimento.

Que Deus abençoe a todos!

0 Comentários
logo theme


Social

Comentários

    Arquivos

    Categorias